2017/12/16

Bébécar Jeep - Catálogo Bébécar (capa azul)


E continuando a divulgar os modelos que constam no catálogo Bébécar com capa azul, aqui fica mais um modelo de quadriciclo a pedais vendido pela marca.
É o modelo Jeep e tinha a referência 8.04.010.
Como podemos ver pelas imagens, podia-se escolher entre a versão em branco, em azul e em vermelho.

Ao contrário do que o nome poderá sugerir, estes "jeep" são de marca Toyota.
A versão azul tinha decoração da polícia e em todos havia um aro metálico que simulada o para-brisa deste 4x4 de brincadeira.

Continue lendo...

2017/12/15

Motorizada Casal Super Boss - 25.ª Automobilia de Aveiro / 2017


Se há um modelo emblemático das motorizadas nacionais, a Casal Boss é uma delas, pois foi a primeira motorizada onde muitos jovens aprenderam a andar em duas rodas.

A motorizada Casal Super Boss era uma versão mais evoluída do que o modelo comum e este exemplar esteve em exposição / venda na 25.ª Automobilia de Aveiro / 2017.

Os motores Casal M 109, com 4 velocidades, foram uma das escolhas para equipar estas motorizadas e podiam atingir 80 km/h.

A Casal Super Boss destingia-se das outras motorizadas por estar pintado de preto, com pormenores e jantes em dourado.

A preocupação com o visual da Casal Super Boss era tanto, que até houve o cuidado de pintar o escape e os amortecedores de preto.

E o facto de ter quadro aberto e selim para duas pessoas ajudavam a que fosse a escolha no momento de comprar uma motorizada.

Continue lendo...

2017/12/14

Autocolantes novos da Sericértima para Fundador


No site da Sericértima encontramos autocolantes para motorizadas e motos antigas de várias marcas.
Quando procuramos autocolantes para as motorizadas Fundador, temos de pesquisar na zona relativa à Casal (marca que esteve ligada à Fundador)
Por exemplo, é nesta secção que se encontram os autocolantes para a Fundador K 168 (a motorizada "gémea" da casal Boss).

E se muitas vezes é difícil encontrar a mica original do farol, pior pode ser tentar encontrar o autocolante que nela era colocado, mas na Sericértima está disponível versão a dourado...

Bem como outra, com a marca Fundador a branco, sobre fundo cor de rosa.

E se precisarem das letras Fundador para colocar num depósito de combustível, também têm o problema resolvido.
Caso não encontrem o que procuram, na Sericértima conseguem criar o autocolante em falta, a partir de fotografias e de medidas. Para mais informações sobre os autocolantes da Sericértima, podem ver as publicações antigas que já fizemos.

Continue lendo...

2017/12/13

Carrinho Renault Williams F1 a pedais da Toimsa


Recentemente divulgámos imagens de catálogo dos carrinhos a pedais Bébécar Auto Fórmula-1 e hoje divulgamos uma versão muito parecida, comercializada pela Toimsa, provavelmente no início dos anos 90.

É um carrinho a pedais que imita os Renault Williams ELF de Fórmula 1, tendo a carroçaria em plástico azul, de modo a imitar o carro de F1 em questão.

As publicidades estão impressas em autocolantes, colados em locais estratégicos.
Na traseira há um autocolante que simula o motor e os escapes do carro.

Agradecemos a Luís Costa pelo envio desta colaboração (obrigado!).

Continue lendo...

2017/12/12

Pré-encomenda livro: Berliet, Chaimite e UMM – Os Grandes Veículos Militares Nacionais


O ano de 2018 está quase a chegar e com ele a promessa de uma nova edição dedicada a 3 dos veículos militares fabricados em Portugal: O camião Berliet Tramagal, o blindado Chaimite e o jipe UMM. Isto num livro escrito por Pedro Monteiro e que está previsto que seja lançado durante o salão Motor Clássico que se realiza, em Lisboa, entre 6 e 8 de Abril de 2018.
Recentemente divulgámos a campanha de angariação de fundos para edição deste livro e a três semanas de terminar a oportunidade (será no dia 29 de Dezembro), ainda podem fazer a pré-reserva do livro. Os objectivos propostos já foram ultrapassados, estando reunido aproximadamente o dobro da verba necessária para que o livro seja impresso e distribuído. Quem ainda não fez a sua pré-reserva, deve fazê-lo quanto antes, pois é uma edição limitada e numerada. Deste modo tem o seu exemplar garantido e beneficia de melhores condições de aquisição (dependendo do montante, podem receber este livro a editar, bem como outros já publicados pela editora Contra a Corrente).
Na primeira imagem que acompanha este texto podemos ver a proposta da capa do livro, onde um blindado Chaimite aparece em primeiro plano. Para a contra-capa foi escolhida uma fotografia de um camião Berliet Tramagal, transportando vários militares.

Pela página no Facebook, intitulada Livro Berliet, Chaimite e UMM temos acompanhado as publicações regulares onde vai sendo levantado o véu do material a imprimir, depois de muitas conversas, fotografias e vídeos inéditos sobre estes veículos militares nacionais; recorrendo-se a muitos dos intervenientes no fabrico / na utilização dos veículos referidos e às instituições que com eles trabalharam (e trabalham!).
Para a edição do livro já há apoios confirmados da empresa portuguesa ETI - que desenvolveu o simulador dinâmico dos blindados Pandur II, que existe no RI13, em Vila Real; bem como da Associação 25 de Abril; da Liga dos Combatentes e do próprio Exército Português.

Do que conseguimos apurar em relação ao conteúdo do livro "Berliet, Chaimite e UMM - Os Grandes Veículos Militares Nacionais", para além da abordagem detalhada feita aos veículos em questão, haverá ainda referências a outros tempos e outros veículos, recuando-se até à década de 1920 e vindo até aos nossos dias, dando-se destaque aos Pandur. Os Unimog não são de fabrico nacional, mas também constam nesta publicação, pois marcaram muitas gerações de militares.
No livro é traçado o uso destes veículos no "país e no estrangeiro, bem como o seu desenvolvimento e fabrico em Portugal. Através de testemunho de protagonistas e documentos inéditos, revisita momentos chave da nossa História que muitos leitores viveram na primeira pessoa, como a Guerra Colonial e a Revolução dos Cravos e o PREC. A par destes, o livro aborda também as missões internacionais das Forças Armadas nos Balcãs e em Timor-Leste, terminando com reportagens exclusivas no Kosovo e na Lituânia onde os veteranos blindados Chaimite passaram o testemunho aos modernos Pandur II fabricados no Barreiro".

Este livro destina-se a um público alargado, interessando tanto a quem gosta de veículos militares e fabricados em Portugal, bem como aos militares que com eles lidaram. Paralelamente, despertámos as memórias de muitos ex-combatentes da guerra em África, dos militares do 25 de Abril e das mais recentes missões de paz. Além das máquinas, o livro será, igualmente, uma homenagem colectiva a todos esses Homens. 
Outras informações sobre o livro “Berliet, Chaimite e UMM – Os Grandes Veículos Militares Nacionais”:
- A ideia surgiu em 2015, quando se assinalaram 50 anos da linha de montagem dos camiões militares Berliet-Tramagal e Pedro Monteiro começou a recolher as memórias e episódios que traçam a história de todos os veículos militares fabricados ou montados em Portugal.
- É uma edição de 750 exemplares numerada. Um total de 144 páginas no formato de 29 cm de largura x 26 cm de altura. Capa armada em cartão de 2.5 mm e miolo em papel couché semi mate de 170 gr/m2.
- É uma obra dividida em duas partes, ricamente ilustrada e apoiada em arquivos e testemunhos na sua maioria inéditos. Tem por base mais de 25 reportagens em unidades militares e fábricas em Portugal, no Kosovo e na Lituânia. Juntam-se mais de 40 entrevistas presenciais a protagonistas chave do 25 de Abril, antigos combatentes do Ultramar e gestores, engenheiros e técnicos de empresas envolvidos no fabrico dos veículos militares.

Índice previsto:
* Prefácio
* Introdução
* Parte 1. Desenvolvimento, Produção e Vendas
  Camiões Berliet-Tramagal: A parceria de sucesso
  Blindados Chaimite: Os segredos de um ícone nacional
  Jipes UMM: A grande aventura dos Cournil e Alter
Inclui perfis e fichas técnicas:
- Berliet-Tramagal GBC 4x4 e 6x6
- Tramagal Turbo
- Chaimite V-200 e variantes
- Comando Mk III
- Gazela e Leopardo
- UMM Cournil e Alter
- Pandur II e variantes
* Parte 2.
  Missões de Guerra e Paz
  Guerra Colonial
  Do 25 de Abril e do 25 de Novembro
  Apoio à paz em África, Balcãs e Timor
  Passagem de testemunho na Lituânia
* Epílogo;
* Agradecimentos.

O Autor – Pedro Monteiro
Colabora com publicações de assuntos militares e é correspondente para Portugal da revista espanhola "Fuerzas Militares del Mundo". Em 2011 publicou a monografia "Military Vehicles of the Portuguese Army" e entre 2008 e 2013 publicou artigos sobre viaturas militares na revista "Motor Clássico". Especializado em reportagens fotográficas (www.pedro-monteiro.com), fez trabalhos com forças militares e nacionais em Portugal, Lituânia e Kosovo. Actualmente vive na Holanda, onde trabalha numa multinacional no sector de bens de grande consumo.

Edição
O livro “Berliet, Chaimite e UMM – Os Grandes Veículos Militares Nacionais” será lançado em 2018, pela Contra a Corrente, uma editora vocacionada para os livros de prestígio, de empresa ou de autor. Em 2011 editou o livro “F-16 Falcões e Jaguares”, seguindo-se os livros “100 Anos Chevrolet” (edição comemorativa do Centenário da Chevrolet), “Opel Ampera – Nova era na mobilidade eléctrica”, “A Evolução do Automóvel” e “Mais Alto e Mais Longe, Escalar por uma Causa”, em 2012. No ano seguinte seria a vez do grande livro sobre a História da “TAP Air Portugal” e do livro sobre os “50 Anos Alouette III na Força Aérea”, além da biografia do Cmdt. Roque Brás de Oliveira (Prémio Carlos Bleck 2013) e do livro “50 Anos Porsche 911 em Portugal”. Em 2014, os automóveis e os aviões deram lugar às motos, com a edição do livro “A Evolução da Moto” e de uma fotobiografia e recolha de textos do poeta popular José de Jesus da Silva (“Maré de Sonhos”). O ano de 2015 foi dedicado aos livros “Rui Madeira – 25 Anos de Ralis” e aos “Óculos – História da Óptica”, seguindo-se em 2016, o livro “Grupo OMNI – 25 Anos de Operação em Portugal”. E no início de 2017, dois títulos publicados com um mês de intervalo: “Land Rover em Portugal” e “Mundo Maravilha”.

Continue lendo...

2017/12/11

Alfinete de lapela da STET / Caterpillar


A Tramagal, seguida da Bravia / VM, foram as duas marcas nacionais que mais maquinaria pesada fabricaram. Se muitos só se lembram dos camiões, a Tramagal até cilindros compactadores e debulhadoras fabricou.

O leque de maquinaria fabricada não foi mais longe devido à dimensão do mercado nacional (mesmo com as chamadas províncias ultramarinas) e à concorrência de empresas internacionais como a Caterpillar, que em Portugal era representada pela STET, de quem hoje divulgamos este alfinete de lapela.

Na frente, por baixo da marca Caterpillar, tem escrito "Marca registada".

Continue lendo...

2017/12/10

Jipe UMM Alter com cabine prolongada em foto publicitária


Na indústria automóvel há empresas que optam por produzir veículos de forma massiva, todos iguais. Outras, como a UMM, procurou nichos de mercado, conseguindo responder aos pedidos ou solicitações dos clientes e, deste modo, garantindo vendas.
Das muitas versões que houve de jipes UMM, a que divulgamos na imagem é mais uma. Aparenta ser um jipe UMM Alter cuja cabine foi prolongada para a traseira (não tem o chassi mais comprido como nos UMM Alter longos). Por este motivo foi acrescentado mais um vidro na lateral, entre a porta do condutor e a tradicional janela de formato rectangular, na horizontal.
Os jipes na fotografia têm luz rotativa azul no tejadilho, sinalizadora de emergência, pelo que é natural que tenham ido para alguma corporação de bombeiros.em França.
Também esta imagem foi divulgada numa publicidade feita pela UMM France no ano de 1992

Continue lendo...

2017/12/09

Fotografia de prova de competição automóvel - Autódromo de Luanda


Fomos encontrar um álbum antigo de fotografias onde aparece uma fotografia de uma prova de competição automóvel no Autódromo de Luanda (Angola), projectado pelo arquitecto Ayrton João Lolô Cornelsen, que também projecto o Autódromo do Estoril.

Na fotografia podemos ver a torre de controlo com 2 andares e não com os 4 como é conhecida. Será que a fotografia é de 1972, de uma época em que os trabalhos de construção ainda não estavam terminados?
Na torre é possível ver um letreiro que diz "Voltas 40", o que nos poderá ajudar a identificar a prova que estava prestes a ser disputada.

A fotografia está num álbum onde aparecem fotografias da zona do Guincho datadas de 1972, seguindo-se fotografias de Furamcumgo (Furancungo), um quartel militar em Moçambique.
Nas restante páginas do álbum há fotografias da vida familiar em Portugal (e também numa viagem).
O álbum está disponível para venda, para mais informações usar o contacto de e-mail existente na lateral direita do ecrã.

Continue lendo...

2017/12/08

Bicicleta Dicace - 8.º Passeio Pasteleiras Pinhal Novo


Para além da bicicleta Ciclocete, também esta bicicleta pasteleira de marca Dicace (Cicles Dicace) esteve no 8.º Passeio de Pasteleiras de Pinhal Novo (2017).

É uma marca que não conhecemos, mas que aqui divulgamos, de forma a que surjam mais informações sobre ela depois de publicadas estas fotos.

A bicicleta foi fabricada pela Confersil, pois tem material desta marca no sistema de travões de alavanca...

Bem como no guiador, onde se vê a marca Confersil gravada no metal.
A campainha é da marca Ivol.

Continue lendo...

2017/12/07

Moto-bomba / motor de rega Sachs antigo (1/4)


Em busca de informações e material para partilhar no blogue Rodas de Viriato, surgem objectos como esta moto bomba / motor de rega de marca Sachs e que aparenta ter cunho nacional.

O motor usado não há dúvidas de que se trata de um Sachs, fabricado pela Fichtel & Sachs construido na Alemanha.

Mas quando olhamos para a parte da bomba que suga a água e depois a expele, vemos que tem umas siglas gravadas no metal.

E não parece que sejam umas siglas de um antigo dono da moto-bomba, de modo a identificá-la e evitar que fosse roubada ou desviada para outro sítio.

Parecem ser as letras ou emblema da metalúrgica onde terá sido fabricada esta secção do grupo moto-bomba Sachs. Fica a dúvida de que metalúrgica seria...

O conjunto está bem conservado para a idade que apresenta e ainda é possível ver as cores usadas para pintar as diferentes parte da bomba, ora a vermelho, ora a prateado.

Outra característica desta moto-bomba é que tem a maioria dos componentes originais e da época, como o cachimbo de marca Bosch.

Este motor tinha um depósito para combustível, estando dividido em duas partes diferentes. O controlo do combustível era feito com torneiras de marca Armaturen-Werke GmbH, de Frankfurt.

E como se não bastasse, tem o carburador de marca Bing, modelo 13/11/1.

Esta moto-bomba antiga Sachs está disponível para venda, para mais informações usar o contacto de e-mail existente na lateral direita do ecrã.

Continue lendo...

2017/12/06

Calendário de 1967 da CNP - Companhia Nacional de Pneus


Em Janeiro de 1967 foram impressos 25 000 calendários de bolso como este para publicitar a CNP - Companhia Nacional de Pneus. Nele podemos ver uma jovem em cima de uma bicicleta antiga, das que têm uma roda gigante na frente. Ao lado dela vemos dois pneus montados em aros metálicos. Um deles parece ter escrito Galgo a branco na borracha, será?

Os calendários foram impressos na Lito - Maia, no Porto. A imagem na frente tem crédito da Sonarte.

Continue lendo...

2017/12/05

Ciclomotor Alma - 25.ª Automobilia de Aveiro / 2017 (1/2)


E divulgamos mais outro ciclomotor Alma no blogue Rodas de Viriato.

Este foi fotografado na 25.ª Automobilia de Aveiro / 2017, mais concretamente em cima de uma carrinha antiga no parque de estacionamento para viaturas antigas / clássicas.

Estava com a patine do tempo, sendo ainda possível ver pormenores da pintura original, bem como alguns componentes usados antigamente.

Um desses componentes, era um pneu Zandi N8 com medida 24 x 1/4.

Estava gretado, mas ainda em condições para permitir o deslocar deste ciclomotor Alma antigo.

O interior da roda dentada da pedaleira tinha um recorte que fazia lembrar pétalas de uma flor.

Por cima desta roda dentada vemos um elemento metálico saído, provavelmente do guarda-corrente em falta.

Continue lendo...